quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Viagem Sem Volta

Viagem Sem Volta
(Night Train, 2009)


Direção: Brian King
Gênero: Suspense
Duração: 83 minutos
Elenco: Danny Glover, Leelee Sobieski, Steve Zahn, Richard O'Brien, Constantine Gregory.



Sinopse:

Uma pequena caixa com um enigmático conteúdo vai mudar para sempre a vida do condutor Miles e dos passageiros do último trem. Naquela gelada noite, um taciturno e tardio estrangeiro chega do nada, embarca no mesmo vagão de Pete, um falastrão vendedor de seguros e Chloe, misteriosa aluna de medicina.

Análise:

Sinceramente não sei o que houve na carreira de Danny Glover. Antes tão respeitado e com um histórico de fazer inveja em muitos atores de Hollywood, ele simplesmente caiu do cavalo de um tempo pra cá, e só o vemos agora em filmes de segunda categoria.
Essa é a melhor definição para "Viagem Sem Volta", um filme de segunda categoria. Com uma história bastante sem nexo, e muito menos ligações, três personagens se deparam com um homem misterioso, que simplesmente morre sem dar sinal e deixa uma caixa bastante enigmática. Com o poder de manipular as mentes das pessoas, a caixa faz com que cada um se corrompa aos poucos, e vira uma espécie de anel precioso do Golum em "O Senhor dos Anéis".
A trama é bastante pobre, mas não mais que os efeitos visuais. Uma coisa que muito me chamou a atenção foram algumas cenas em que o vagão do trem que os personagens se encontravam simplesmente não se movia, e pela janela do mesmo tinha apenas uma imagem imóvel, nem ao menos imitando movimento. Isso além da forma desajeitada em que os atores tentavam simular um balanço do trem.
Com uma atuação bastante a desejar de todos os atores, unido a um contexto ruim e um desenrolar que não empolga ninguém, o filme só consegue ser pior porque no fim todos viram adoradores de um objeto inanimado, e são capazes de matar ou morrer por ele.
Realmente não vale a pena perder tempo com este longa, a não ser para praticar críticas ou dar umas boas risadas.


Nota: 4,0

2 comentários:

  1. Gostei. Principalmente pelas não-respostas. As pessoas viam na caixa alguma coisa que as faria sair da vida medíocre, e se embrutecem com isso. Gostei da ideia. No formato, achei teatral. Porém, achei interessante, também, a inverossimilhança de ter um trem quase sem ninguém - bem teatral mesmo. Achei que não ficou redondinho, e como estou de saco cheio de coisas redondinhas, gostei.

    ResponderExcluir
  2. Eu gostei do filme, é meu preferido agora.

    ResponderExcluir